fbpx

Eu aprendi com as falhas e sai mais corajosa

O fracasso é uma parte normal da vida!

Se você nunca sofreu um fracasso, então você provavelmente não está a explorar todo o seu potencial.

Percebo que a maioria das pessoas não falam abertamente sobre as suas falhas e fracassos. As gostam é claro de contar sobre os sucessos e conquistas. As pessoas falam sobre negócios que deram certo, contrato que assinaram. Não falam propriamente de outras situações em que trabalharam durante meses e talvez anos para fazer um negócio começar a acontecer. Mas o fracasso é natural, faz parte da vida. É normal não conseguir não conseguir uma e outra vez até ser bem-sucedido.

As pessoas hoje escondem o fracasso e muitas vezes escondem o trabalho árduo por trás de um grande sucesso. Vivemos em um mundo rápido e efêmero. É como se tudo acontecesse num passe de mágica. É necessário começar a encarar as falhas e contar abertamente histórias de fracasso. O ato, garantem, pode ser um catalisador de sucessos futuros.

Falhar não significa que você não tem competência, ou que você nunca vai conseguir as coisas que deseja. Quando usamos a autocrítica exagerada, nos colocamos para baixo diminuímos nosso valor inerente, e consequentemente desviamos a nossa atenção do ponto fulcral da falha. A falha ou fracasso propriamente dito, e o desperdício da oportunidade de perceber onde se errou e como se pode melhorar.

Quando estamos se sentindo fracassado, ainda que tudo tenha saído diferente do que você idealizou, procure com calma que você vai encontrar motivos para agradecer, para tanto é preciso deixar ir o sentimento de fracasso.

“É preciso mais do que coragem para assumirmos nossas histórias e não passar a vida sendo definidos por elas ou as rejeitando” Brene Brown

Este é o processo de dar a volta por cima que conto no meu artigo: Eu fracassei, e agora?

As perdas nos tornam pessoas mais completas e mais inteiras, nos ensinando uma parte da vida. Mas como podemos aprender com as perdas e sair fortalecido?

Para mim a atitude da aceitação é o segredo para que a dor natural dessas perdas não se transforme em um sofrimento contínuo e prolongado que nos fará entrar em um estado de desadaptação. Aceitação é mais uma das atitudes que cultivamos com a prática de Mindfulness.

Muita pessoas confundem aceitação com passividade, mas é o contrário disso. Aceitação tem a ver com a compreensão de que as coisas são do jeito que são, em nós, nos outros, no mundo. A partir daí, se houver alguma ação necessária, ela ela virá dessa atitude, que abre espaço, que acolhe, que acomoda – e não da tensão e do sofrimento que são irmãos siameses da vontade de consertar as coisas e lutar contra aquilo que ‘já é’.

Cultivando a aceitação, podemos, conscientemente, decidir como empregar o nosso tempo e energia, tomando atitudes mais sábias, coerentes e proporcionais.

Claro que nem tudo o que aprendemos com a perda de alguém ou de alguma coisa é positivo. É preciso deixar claro que precisamos aprender com a parte negativa. Quando falhamos o sentimento pode oscilar entre o desânimo e o querer desistir, dependendo da gravidade da experiência.

Quer seja um jovem, um empreendedor ou um profissional ao tentar alcançar algo de significativo, o fracasso pode ter o potencial de o reter de forma de indefinida – mas só se você o deixar. Você tem o poder de escolher!

O problema é que você é o seu pior inimigo, você está sempre disposto a reconhecer as conquistas dos outros e nunca se sente digno dos seus próprios aplausos. Aos seus olhos, você não fez o suficiente, é neste ponto que você deixa de exercitar a empatia, a paciência e a compaixão, primeiramente, consigo mesmo (a). Uma ótima estratégia para sair do estado emocional negativo decorrente do fracasso é relembrar-se de algumas situações passadas em que você foi bem-sucedido e corajoso.

Talvez você tenha conseguido uma promoção no seu trabalho o ano passado, ou você teve uma nota boa na faculdade, ou conseguiu perder peso, ou aprendeu a tocar um instrumento musical, ou melhorou o seu relacionamento com o parceiro. Experimente escrever uma lista dos seus sucessos, coisas que você realizou ao longo dos últimos anos, sejam grandes ou pequenas. Se você tem a sua confiança diminuída, reveja a sua lista de sucessos agora.

Experimente começar dialogar com você mesmo, experimente perceber como funcionam as suas emoções e a desapegar-se dos seus pensamentos e emoções negativos, porque existe uma nova forma de olhar os velhos problemas. Quando você começa a perceber que não somos os nossos problemas, nem nossos medos e dificuldades, começamos a jogar num outro nível ficamos numa posição de encontrar novos caminhos, e soluções que dependam de nós e da nossa consciência. Isto é muito libertador. Experimente!!

Valorize suas Histórias de Coragem!!

http://www.robertasanzi.com.br/cursos/curso-introdutorio/

Participe do CURSO INTRODUTÓRIO GRATUITO A Jornada de Realização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *